Na semana passada, o Paypal divulgou um documento técnico em colaboração com a Energy Web e a DMG Blockchain Solutions, apresentando uma “Iniciativa de Mineração Verde”. Essa iniciativa visa direcionar as taxas dos usuários para mineradores certificados que utilizam energia renovável em suas operações.

Esta abordagem não é exatamente surpreendente, já que a mineração se tornou comum como uma maneira de impulsionar objetivos relacionados às energias renováveis e ao clima. A natureza da mineração a torna adequada para esse propósito, já que os mineiros procuram constantemente a energia mais acessível para resolver os blocos. Eles estão dispostos a aproveitar energia excedente ou desperdiçada.

Mineração

A complexidade deste sistema é notável, e é surpreendente ver o nível de compreensão técnica e sofisticação que o Paypal e suas parceiras têm demonstrado, especialmente considerando seu Grupo de Pesquisa Blockchain dedicado a este campo. No entanto, algumas das abordagens discutidas parecem ineficientes e fora do contexto econômico.

O Projeto Central

O cerne do projeto visa garantir que apenas mineradores certificados com práticas verdes possam cobrar as taxas associadas às transações transmitidas por usuários compatíveis na rede. No entanto, surge um desafio: as taxas de mineração podem ser reivindicadas por qualquer minerador que inclua a transação em um bloco, não apenas pelos certificados. Portanto, é necessário um mecanismo para restringir quem pode coletar essas taxas.

A solução proposta é utilizar o sistema “Green Proofs for Bitcoin” fornecido pela Energy Web. Este sistema emite certificados que atestam que a energia utilizada por um minerador ou seu impacto na rede cumpre determinados critérios de uso de energia renovável ou de contribuição positiva para a rede elétrica. Cada minerador certificado registra uma chave pública durante o processo de certificação, formando uma lista de chaves públicas associadas aos mineradores certificados.

Essas chaves públicas certificadas são fundamentais para garantir que apenas os mineradores autorizados possam reivindicar as taxas. As carteiras dos usuários compatíveis podem consultar essa lista de endereços de bitcoin de mineradores certificados e, a partir dessas informações, criar transações especiais nas quais somente eles podem reivindicar as taxas. Isso é feito por meio de uma saída multisig, na qual uma transação é criada com um script que permite que qualquer minerador certificado gaste a taxa. Além disso, é comum incluir uma taxa mínima no intervalo de taxas do mempool para garantir que a transação seja propagada pela rede.

A última etapa é a reivindicação da taxa. Quando um minerador certificado inclui uma transação verde em seu bloco, ele deve também incluir uma transação correspondente que envia a taxa para um endereço do qual apenas ele possui a chave. Isso garante que apenas ele possa reivindicar a taxa de saída no próximo bloco que minerar. Dessa forma, as carteiras especiais podem criar transações com taxas destinadas apenas aos mineradores certificados, permitindo que os usuários direcionem suas taxas preferencialmente para aqueles que adotam práticas verdes ou têm impacto positivo na rede.

Cheio de buracos e pensamentos incompletos

Primeiramente, a abordagem de exigir que os mineiros incluam uma segunda transação própria é reconhecida como altamente ineficiente, conforme mencionado no artigo. No entanto, o que não é abordado são as implicações econômicas relacionadas às taxas de transação.

As taxas de transação do Bitcoin são determinadas pelo espaço ocupado pelos dados da transação. Ao introduzir a necessidade de os mineiros ocuparem espaço de bloco para uma transação secundária que cobra uma “taxa verde”, isso aumenta o tamanho total da transação verde. Isso é comparável, em termos econômicos, ao conceito de “Child-Pays-For-Parent”.

Com o “Child-Pays-For-Parent”, uma transação que gasta uma saída de uma transação não confirmada paga uma taxa acima da média. Isso ocorre porque a taxa média que a segunda transação paga, tanto por si mesma quanto pela primeira transação que precisa ser confirmada antes, eleva a taxa da primeira transação. O mecanismo de cobrança da taxa verde opera de maneira semelhante, mas de forma inversa.

Ao exigir que os mineiros criem uma segunda transação para reivindicar a taxa, presumindo que a saída da taxa pague uma taxa média, as taxas líquidas que o minerador coleta por byte de dados diminuem. O espaço de bloco usado para essa transação poderia ter sido utilizado para incluir outra transação com taxa. Assim, na prática, os usuários compatíveis precisam pagar mais taxas absolutas para alcançar uma taxa específica. Isso levanta a questão de por que os usuários fariam isso.

Essa dinâmica, em última análise, resulta em usuários compatíveis pagando mais ou mineradores certificados gerando menos receita, mantendo todas as outras variáveis constantes. A primeira opção é irracional do ponto de vista do consumidor, enquanto a segunda falha em recompensar adequadamente os mineiros que utilizam energias renováveis adicionais.

Outro ponto importante é a estruturação proposta para o script multisig 1-de-n. No modelo tradicional de multisig pré-Taproot, cada chave individual no multisig precisa estar presente no script, o que leva a um problema de aumento linear do tamanho da transação verde para cada minerador adicionado ao multisig.

O documento discute a divisão dos mineradores em subgrupos e a alternância entre esses grupos para a cobrança de taxas a cada transação. No entanto, isso resultaria em uma distribuição altamente desigual de taxas entre os mineradores certificados, pois a frequência e a distribuição das transações entre os usuários compatíveis não podem ser predefinidas. Além disso, não menciona alternativas mais eficientes para a cobrança de taxas.

Por fim, embora discuta o potencial de um mecanismo centralizado fora de banda para comunicar-se diretamente com os mineradores certificados, destaca as preocupações relacionadas à centralização, confiança e complexidade de implementação como razões para optar pelo protocolo distribuído descrito anteriormente.

O mercado bem faz isso

No fim das contas, o que mais me confunde não são apenas as ineficiências técnicas e a falta de compreensão de soluções aparentemente óbvias (pelo menos em parte) para elas. É a tentativa de introduzir dinâmicas distorcidas de incentivo na camada de aplicação do protocolo para lidar com a preocupação com as energias renováveis em primeiro lugar. Por quê? O mercado naturalmente lida com esse incentivo por conta própria.

A energia renovável é, de fato, a forma mais econômica de energia, considerando tanto os custos de construção quanto de operação das instalações de produção. Os mineiros buscam, principalmente, a energia mais acessível disponível. Então, por que o Paypal está tentando intervir com sistemas complexos, oferecendo aos usuários um meio distorcido de restringir as taxas apenas para certos mineiros e, de forma mais ampla, introduzir distorções no mercado? O mercado já atende a essa necessidade. Energia renovável é acessível; basta construir mais instalações e os mineiros naturalmente se voltarão para ela, gerando receitas para sustentar suas operações (especialmente quando há excesso de energia não consumida).

O cerne das taxas no Bitcoin é a livre competição, onde qualquer mineiro pode concorrer para cobrar taxas de transações, incluindo-as em seus próprios blocos. Esse sistema é projetado para promover a competição entre os mineiros, garantindo a segurança e a confiabilidade da rede. Tentar introduzir distorções como as propostas neste sistema desestabilizaria o equilíbrio da concorrência e da segurança da rede. Além disso, é redundante, dado o funcionamento natural do mercado de mineração de Bitcoin.

Se o objetivo é incentivar a mineração de Bitcoin como um meio de expandir a energia renovável, já está funcionando. Não há necessidade de complexas manobras para atingir esse objetivo; os mecanismos de competição entre mineiros, baseados no mercado, já estão promovendo isso de forma eficaz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 69,100.00
  • ethereumEthereum (ETH) $ 3,922.08
  • tetherTether (USDT) $ 0.999993
  • bnbBNB (BNB) $ 605.49
  • solanaSolana (SOL) $ 164.77
  • staked-etherLido Staked Ether (STETH) $ 3,917.97
  • usd-coinUSDC (USDC) $ 0.999962
  • xrpXRP (XRP) $ 0.531671
  • dogecoinDogecoin (DOGE) $ 0.167385
  • the-open-networkToncoin (TON) $ 6.41
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.462693
  • avalanche-2Avalanche (AVAX) $ 37.18
  • shiba-inuShiba Inu (SHIB) $ 0.000025
  • wrapped-bitcoinWrapped Bitcoin (WBTC) $ 69,246.00
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 7.49
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 17.18
  • tronTRON (TRX) $ 0.113054
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 488.26
  • nearNEAR Protocol (NEAR) $ 7.90
  • uniswapUniswap (UNI) $ 11.21
  • pepePepe (PEPE) $ 0.000017
  • matic-networkPolygon (MATIC) $ 0.724827
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 84.49
  • fetch-aiFetch.ai (FET) $ 2.26
  • internet-computerInternet Computer (ICP) $ 12.16
  • leo-tokenLEO Token (LEO) $ 5.93
  • daiDai (DAI) $ 1.00
  • wrapped-eethWrapped eETH (WEETH) $ 4,070.30
  • ethereum-classicEthereum Classic (ETC) $ 32.43
  • aptosAptos (APT) $ 9.16
  • render-tokenRender (RNDR) $ 10.10
  • renzo-restaked-ethRenzo Restaked ETH (EZETH) $ 3,855.76
  • hedera-hashgraphHedera (HBAR) $ 0.107286
  • immutable-xImmutable (IMX) $ 2.38
  • mantleMantle (MNT) $ 1.04
  • kaspaKaspa (KAS) $ 0.139720
  • arbitrumArbitrum (ARB) $ 1.26
  • cosmosCosmos Hub (ATOM) $ 8.47
  • filecoinFilecoin (FIL) $ 5.95
  • crypto-com-chainCronos (CRO) $ 0.120461
  • stellarStellar (XLM) $ 0.108919
  • first-digital-usdFirst Digital USD (FDUSD) $ 0.999949
  • the-graphThe Graph (GRT) $ 0.321465
  • dogwifcoindogwifhat (WIF) $ 3.03
  • bittensorBittensor (TAO) $ 439.68
  • blockstackStacks (STX) $ 2.01
  • okbOKB (OKB) $ 48.44
  • optimismOptimism (OP) $ 2.59
  • ethena-usdeEthena USDe (USDE) $ 1.00
  • makerMaker (MKR) $ 2,845.08