O próximo evento de halving do Bitcoin está agendado para 22 de abril, quando o bloco 840.000 será alcançado. Cada bloco minerado registra sua altura, indicando quantos blocos foram gerados desde o último, formando assim um livro-razão digital cronologicamente ordenado.

Isso é essencial para a transparência descentralizada e segurança contra gastos duplicados do Bitcoin, além de ser fundamental para a implementação da lógica de redução pela metade incorporada à rede, que ocorre a cada 210.000 blocos.

halving

O halving do Bitcoin é uma parte central de sua política monetária algorítmica. Ao contrário de um banco central arbitrário, o halving reduz pela metade previsivelmente o influxo de novos bitcoins, diminuindo pela metade as recompensas para os mineradores. Desde o primeiro bloco Genesis em 2009, que recompensava os mineradores com 50 BTC, a recompensa será de 3.125 BTC por bloco após o quarto halving.

Essa redução significativa nas recompensas tem um grande impacto na taxa de inflação do Bitcoin, que diminuiu de mais de 1.000% para os atuais 1,7%. Com menos bitcoins sendo introduzidos na oferta, cada unidade de Bitcoin se torna mais valiosa.

A relação entre o preço do BTC e sua taxa de inflação é inversamente proporcional. No entanto, o halving é apenas um dos muitos fatores que influenciam o preço do BTC. Um dos impactos mais significativos do halving está na lucratividade da mineração de Bitcoin. Se as recompensas diminuírem a ponto de tornar a mineração não lucrativa para algumas empresas, poderia haver pressão de venda adicional, potencialmente afetando o preço do BTC.

Compreendendo o halving e seu impacto sobre os mineradores

Imaginar a ausência do halving do Bitcoin oferece uma perspectiva valiosa sobre sua importância. Sem o halving, todos os 21 milhões de BTC estariam prontamente disponíveis após o lançamento da rede principal do Bitcoin.

Essa situação teria um impacto significativo na escassez do BTC, especialmente considerando sua natureza como um ativo digital com uma prova de conceito inicial não testada. Ao longo de três halvings, a escassez de Bitcoin emergiu como uma ferramenta eficaz contra a desvalorização da moeda fiduciária, à medida que os bancos centrais ajustam suas reservas monetárias. Em essência, os halvings aceleraram a dinâmica de oferta e demanda do Bitcoin, impulsionando sua adoção.

À medida que o Bitcoin é cada vez mais adotado, sua rede de mineração se torna mais robusta e segura. Isso acontece porque mais mineradores contribuem para a rede, elevando a dificuldade de mineração, que é ajustada automaticamente a cada duas semanas. Devido a essa reconfiguração na dinâmica de oferta e demanda, os halvings do Bitcoin geralmente resultam em aumentos substanciais no preço antes e depois dos eventos de halving.

O preço do BTC muda dentro de 500 dias após cada Halving.

Da mesma forma, a dificuldade de mineração do Bitcoin tem como objetivo regular a velocidade com que novos blocos de transações são adicionados à rede, mantendo-a em torno de um intervalo de tempo predefinido, aproximadamente 10 minutos, após cada conjunto de 2016 blocos. Sem esse mecanismo, a segurança da rede principal do Bitcoin seria comprometida, pois os mineradores poderiam perder o incentivo para participar.

A dificuldade de mineração do Bitcoin ajusta automaticamente a sua rentabilidade. Se muitos mineradores abandonam a rede, a dificuldade diminui, tornando a mineração mais atrativa, mesmo com a redução nas recompensas. Por outro lado, se mais mineradores ingressam na rede, a dificuldade aumenta, tornando menos rentável a manutenção da segurança da rede (medida pelo poder computacional expresso na taxa de hash).

No entanto, esse efeito é compensado pelo aumento do preço do BTC ao longo do tempo, resultante da escassez de oferta. Quando as recompensas da mineração do BTC são reduzidas pela metade, os mineradores experimentam uma diminuição na rentabilidade. Se a dificuldade de mineração não for ajustada, os mineradores devem melhorar a eficiência de suas operações para manter uma relação custo-benefício favorável, frequentemente reinvestindo em melhorias. Como resultado, esses ciclos na mineração são conhecidos como períodos de acumulação e capitulação.

Nos picos dos preços do BTC, os mineradores começam a vender para atualizar as operações. Os picos vermelhos indicam venda, enquanto os picos verdes indicam acumulação de BTC.

Em última análise, os mineradores de Bitcoin enfrentam decisões cruciais para o seu futuro. Evitando excessos na expansão ou endividamento, eles dependem do aumento do preço do BTC para superar os desafios do halving.

Desafios para mineradores de Bitcoin pós-halving de 2024

Em 26 de março, a taxa total de hash da rede Bitcoin atingiu 614,6 milhões de TH/s, equivalente a 614,6 EH/s. A receita por TH/s para os mineradores de Bitcoin é de US$ 0,10. Para fornecer um contexto adicional, a última plataforma de mineração da Bitmain, Antminer S21, que custa cerca de US$ 4.500, oferece uma taxa de hash de 188 TH/s, consumindo 3.500 Watts de eletricidade.

Existem máquinas ainda mais potentes e caras, como a Antminer S21 Hyd 335T. Em face dos custos dessas máquinas, os mineradores precisam considerar os gastos com eletricidade, refrigeração, manutenção, pagamentos de juros de dívidas e o custo das instalações. Empresas que não conseguem gerenciar esses custos correm o risco de falência, como ocorreu com a Núcleo Científico em 2022.

Para indivíduos que utilizam PCs e laptops comuns, a mineração de Bitcoins já não é lucrativa há bastante tempo. Eles teriam que investir em máquinas ASIC especializadas para competir com a crescente dificuldade de mineração do Bitcoin e o consequente aumento nos custos de energia. O governo dos EUA, ciente de sua dependência do banco central e das consequências da desvalorização da moeda, está atento a essa realidade.

No final de janeiro, a Administração de Informação sobre Energia (EIA) começou a explorar formas de restringir as operações dos mineradores, solicitando dados de pesquisa obrigatória sobre seu consumo de energia. Essas informações seriam então enviadas ao Departamento de Energia (DoE) para a formulação de políticas restritivas.

No entanto, devido à intervenção rápida do Texas Blockchain Council (TBC) e da Riot, essa ação foi interrompida a partir do Arquivamento de 2 de março.

Avanços Tecnológicos e Melhorias de Eficiência

A prova de trabalho do Bitcoin é fundamental para a valorização do BTC, pois âncora o ativo digital à realidade física através do consumo de energia e hardware especializado. Essa característica evita a criação indiscriminada de criptomoedas a baixo custo, o que poderia distorcer sua avaliação.

No entanto, essa mesma dependência do consumo de energia também representa uma vulnerabilidade política para o Bitcoin. Um exemplo disso foi a decisão de Elon Musk em maio de 2021 de suspender os pagamentos com Bitcoin na Tesla, causando uma queda significativa no valor. Desde então, a mineração de Bitcoin tem se voltado para fontes de energia mais sustentáveis, com 54,5% vindo de fontes renováveis.

Além de utilizar energia hidrelétrica renovável, como é o caso da empresa norueguesa Kryptovault, os mineradores de Bitcoin estão buscando maneiras de aproveitar o excesso de calor gerado. Por exemplo, a Kryptovault usa o calor gerado para secar madeira para a indústria madeireira. Muitas operações menores adotaram essa abordagem para aquecer suas instalações.

Outros mineradores, como a Crusoe Energy Systems, estão aproveitando o excesso de gás natural de poços de petróleo para alimentar suas operações, em vez de deixá-lo ser desperdiçado. Em uma escala maior, os mineradores de Bitcoin estão até ajudando a estabilizar redes elétricas, como observado pelo falecido CEO da ERCOT, Brad Jones.

Na vanguarda, alguns mineradores de Bitcoin estão explorando a energia nuclear como uma fonte mais densa e verde de energia. A TeraWulf, por exemplo, está construindo o Nautilus Criptomina, a primeira instalação de mineração de Bitcoin alimentada por energia nuclear. Com custo de apenas 2 centavos de dólar por KW/h, a TeraWulf busca se tornar a mineradora mais eficiente do mundo.

No próximo ciclo de halving, espera-se que haja um aumento no uso de infraestrutura de hidrogênio como uma solução promissora para a energia nuclear. No entanto, a congregação de recursos em pools de mineração continua sendo o método mais comum para maximizar a eficiência custo-benefício.

O que esperar no cenário pós-halving

Como contrapartida à desvalorização da moeda, o Bitcoin oferece aos mineradores uma oportunidade de lidar com suas dívidas. Eles optam por adiar pagamentos, esperando que o preço do BTC aumente no futuro para cobrir esses débitos. Contudo, apenas os mineradores preparados, com equipamentos atualizados e custos de energia vantajosos, sobreviverão.

Afinal, são esses mineradores que manterão a dificuldade de mineração do Bitcoin em níveis elevados. Aqueles incapazes de competir serão forçados a sair da rede, simplificando o caminho para seus concorrentes, já que a dificuldade da rede é ajustada automaticamente. De acordo com as projeções base da Luxor, se o preço do BTC permanecer na faixa de US$ 66 mil a US$ 66 mil, cerca de 3% dos mineradores de Bitcoin poderiam deixar a rede.

Crédito da imagem: Índice Luxor Hashrate

Além disso, os projetos da Luxor preveem que a dificuldade de mineração do Bitcoin atingirá 725 EH/s até o final do ano. Isso resultaria em um preço do hash pós-redução pela metade de cerca de US$ 53/PH/dia, alinhando-se com a previsão de estabilidade do preço do hash.

Atualmente, o preço do hash de equilíbrio está em torno de US$ 37,20/PH/dia, sem considerar atualizações de firmware. Outras empresas, como a Blockware Solutions, preveem que a taxa de hash atingirá aproximadamente 670 EH/s até o final do ano, utilizando o halving de 2020 como referência, quando a taxa de hash aumentou 30% até o final do ano.

Com isso em mente, os mineradores de Bitcoin devem elaborar planos de escalabilidade a longo prazo, como o investimento da TerraWulf em energia nuclear. No entanto, para se protegerem contra a incerteza, os mineradores poderiam aproveitar os produtos derivados de Bitcoin.

Por exemplo, atualmente existem várias plataformas de negociação que oferecem futuros negociados em bolsa como uma maneira de vender antecipadamente sua produção de mineração. Semelhante aos mercados tradicionais de commodities, os mineradores poderiam utilizar essa estratégia para se proteger contra as flutuações nos preços do BTC.

Com fluxos de receitas recorrentes, os aumentos nos custos operacionais poderiam ser mitigados. Da mesma forma, as empresas de mineração de Bitcoin podem diversificar e oferecer serviços de mineração em nuvem com um foco aprimorado na segurança.

Conclusão

Considerando todos os seus componentes, o Bitcoin representa uma proeza tanto da engenharia de software quanto da teoria econômica. Ele demonstra que é possível implementar políticas monetárias e incentivos sem depender de manipulações centralizadas diretas.

Os mineradores de Bitcoin desempenham um papel crucial nessa inovação digital. Embora estejam sujeitos à competição feroz pela sobrevivência, as incertezas são agora menos predominantes, com três halvings já ocorridos, fornecendo dados significativos para projeções futuras.

No entanto, a pergunta que persiste é: quais mineradores de Bitcoin ajustaram seus modelos financeiros para enfrentar os desafios do pior cenário de baixa?

Veja também: Mineração Indesejada de Criptomoedas: Uma Ameaça Invisível à espreita na Internet

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 69,100.00
  • ethereumEthereum (ETH) $ 3,922.08
  • tetherTether (USDT) $ 0.999993
  • bnbBNB (BNB) $ 605.49
  • solanaSolana (SOL) $ 164.77
  • staked-etherLido Staked Ether (STETH) $ 3,917.97
  • usd-coinUSDC (USDC) $ 0.999962
  • xrpXRP (XRP) $ 0.531671
  • dogecoinDogecoin (DOGE) $ 0.167385
  • the-open-networkToncoin (TON) $ 6.41
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.462693
  • avalanche-2Avalanche (AVAX) $ 37.18
  • shiba-inuShiba Inu (SHIB) $ 0.000025
  • wrapped-bitcoinWrapped Bitcoin (WBTC) $ 69,246.00
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 7.49
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 17.18
  • tronTRON (TRX) $ 0.113054
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 488.26
  • nearNEAR Protocol (NEAR) $ 7.90
  • uniswapUniswap (UNI) $ 11.21
  • pepePepe (PEPE) $ 0.000017
  • matic-networkPolygon (MATIC) $ 0.724827
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 84.49
  • fetch-aiFetch.ai (FET) $ 2.26
  • internet-computerInternet Computer (ICP) $ 12.16
  • leo-tokenLEO Token (LEO) $ 5.93
  • daiDai (DAI) $ 1.00
  • wrapped-eethWrapped eETH (WEETH) $ 4,070.30
  • ethereum-classicEthereum Classic (ETC) $ 32.43
  • aptosAptos (APT) $ 9.16
  • render-tokenRender (RNDR) $ 10.10
  • renzo-restaked-ethRenzo Restaked ETH (EZETH) $ 3,855.76
  • hedera-hashgraphHedera (HBAR) $ 0.107286
  • immutable-xImmutable (IMX) $ 2.38
  • mantleMantle (MNT) $ 1.04
  • kaspaKaspa (KAS) $ 0.139720
  • arbitrumArbitrum (ARB) $ 1.26
  • cosmosCosmos Hub (ATOM) $ 8.47
  • filecoinFilecoin (FIL) $ 5.95
  • crypto-com-chainCronos (CRO) $ 0.120461
  • stellarStellar (XLM) $ 0.108919
  • first-digital-usdFirst Digital USD (FDUSD) $ 0.999949
  • the-graphThe Graph (GRT) $ 0.321465
  • dogwifcoindogwifhat (WIF) $ 3.03
  • bittensorBittensor (TAO) $ 439.68
  • blockstackStacks (STX) $ 2.01
  • okbOKB (OKB) $ 48.44
  • optimismOptimism (OP) $ 2.59
  • ethena-usdeEthena USDe (USDE) $ 1.00
  • makerMaker (MKR) $ 2,845.08